terça-feira, 27 de junho de 2017

Neemias e a injustiça social. Ne 5.1-13

Muitos acreditam que a rainha Maria Antonieta zombou do povo faminto antes de ter a cabeça decepada pela guilhotina, durante a Revolução Francesa (1789-1799). Afirmam que a mulher de Luís XVI reagiu com esta pérola aos clamores da multidão que pedia comida: “Se não têm pão, que comam brioches”. O brioche (os franceses falam “a” brioche) leva farinha de trigo, leite, fermento, açúcar, ovos, manteiga e sal. Trata-se de um pão doce, de luxo, com a massa delicada e a crosta dourada.  

1)   Um fato
Uma lamentação entre os trabalhadores que tinham que construir o muro: “Ora, o povo, HOMENS E MULHERES, começou a RECLAMAR muito de seus irmãos judeus” (v.1). Algumas reclamações:
Alguns tinham famílias numerosas sem o suficiente para comer (v.2).
Outros possuíam propriedades, mas tiveram que hipotecar as suas casas e propriedades para suportar a dificuldade da inflação em crescimento espiral (v.3).
Outros ainda tinham dividas pesadas, eram incapazes de saldar os credores (vs. 4 e 5).
2)   Razões do sofrimento do povo.
Havia fome. O verso 3 diz: “Tivemos que penhorar nossas terras, nossas vinhas e nossa casas para conseguir trigo para matar a fome”. 

Havia imposto demais. “Tivemos que penhorar nossas terras, nossas casas para conseguir trigo para matar a fome”. Os impostos eram recolhidos de todos os que viviam no reino, estes trabalhadores, embora vivessem a 1280 km da Pérsia, não estavam isentos. 

Os altos e inadequados impostos fizeram com que vendessem seus filhos tornando-se escravos. Leia o versículo 5:
Acontece que nós somos da mesma raça dos nossos patrícios judeus, e os nossos filhos são tão bons como os deles. No entanto, nós temos de fazer com que os nossos filhos trabalhem como escravos. Algumas das nossas filhas já foram vendidas como escravas. Não podemos fazer nada para evitar isso, pois os nossos campos e as nossas plantações de uvas foram tomados de nós. 

Os credores estavam tomando suas terras como pagamento e quanto não tinham mais as terras, pegaram seus filhos como ESCRAVOS. E A OBRA DA CONSTRUÇÃO DO MURO DEU UMA PARADA. Aqui vemos o seguinte contexto: Superpopulação, fome, altos impostos, taxas de juros mais altas do que nunca e nenhuma esperança à vista. Observe a reação de Neemias: “Quando ouvi a reclamação e essas acusações fiquei furioso” (v.6).
3)   Por que Neemias ficou indignado?
Ele estava irado porque o povo havia se esquecido da lei de Moisés! Note o que diz Êxodo 22.25: “Se fizerem empréstimo a alguém do meu povo, a algum necessitado que viva entre vocês, não cobrem juros dele; não emprestem visando lucro”. Portanto, perceba o que Deus diz: ISSO TEM QUE SER FEITO COM “MEU POVO”, OS JUDEUS. Se tiver alguém numa situação financeira ruim, não aja como um credor. 

Agora, veja Deuteronômio 23.19:20: “Não cobres juros de um israelita, por dinheiro, alimento, ou qualquer outra coisa que possa render juros. Você poderão cobrar juros do estrangeiro, mas não do seu irmão israelita”. O versículo 20 continua: “... para que o Senhor, o seu Deus os abençoe em tudo o que vocês fizerem na terra em que estão entrando para dela tomar posse”. Em outras palavras, “eu lhes abençoarei e não terão de cobrar juros dos seus próprios irmãos. Serão diferentes  e isso causará uma pergunta na cabeça do estrangeiro: “Como é possível continuarem como nação neste mundo?” E você pode responder: “O Senhor nosso Deus provê nossas necessidades sem juros entre nós. Isso fará diferença. Então o Senhor seu Deus lhe abençoará em tudo que empreender”.
Em Levitico 25:35-40 diz: “Se um israelita que mora perto de você ficar pobre e não puder sustentar-se, então você tem o dever de tomar conta dele. Ajude-o como se ele fosse um estrangeiro que mora no meio do povo, a fim de que ele continue a morar perto de você. 36Não cobre juros sobre o dinheiro que você lhe emprestar. Respeite a ordem de Deus para que esse homem continue a morar perto de você. 37Não cobre juros sobre o que você lhe emprestar, nem tire lucro dos alimentos que você lhe vender. 38É isso o que o Senhor, nosso Deus, nos manda fazer. Foi ele quem nos tirou do Egito para nos dar a terra de Canaã e para ser o nosso Deus.39Se um israelita que mora perto de você ficar tão pobre, que chegue a ponto de ter de se vender a você para ser seu escravo, não o faça trabalhar como escravo. 40Trate-o como se ele fosse um empregado ou um estrangeiro que mora com você. Ele trabalhará para você até o Ano da Libertação”.
Portanto, sabemos que pela reação de Neemias às reclamações do povo que ele conhecia estes quatro princípios da Lei: 1) Não é errado emprestar dinheiro a juros para os gentios; 2) Não é errado emprestar dinheiro para um judeu; 3) é errado cobrar juros de um judeu; 4) é errado escravizar um compatriota. Neemias se indignou justificadamente.

4)   Resolvendo o impasse.
Vejam o verso 7: “Fiz uma avaliação de tudo”. Ele ficou indignado, mas pensou antes de falar. A palavra hebraica para AVALIAR, significa “dar conselho a si próprio; trocar idéias consigo mesmo”. Essa é definitivamente a melhor coisa a fazer quando se fica bravo. Precisamos ir para um lugar tranquilo onde conseguimos colocar todas as emoções e inquietações diante do Senhor.

Fiz uma avaliação de tudo e então repreendi os nobres e os oficiais”. Por que ele falou aos oficiais da elite? Eram os homens endinheirados, aqueles que extorquiam juros daqueles que não tinham. Eram os responsáveis pela opressão dos trabalhadores. Neemias fez três acusações: 1) “Vocês estão cobrando juros dos seus compatriotas. Isto é errado (v.7); Vocês estão obrigando a escravidão permanente dos judeus (v.8). Isto também é errado; 3) Vocês estão perdendo a honra distintiva aos olhos das nações vizinhas. Isso é errado!” O QUE VOCES ESTÁ FAZENDO NÃO ESTÁ CERTO. Voces devem andar no temor do nosso Deus para evitar a zombaria dos outros povos, os nossos inimigos (v.9).

Você sabe quem aplaude quando a igreja se divide? Aqueles que não conhecem a Cristo. Eles dizem: “Ah, sabia que isso aconteceria. Sabia que se aqueles cristãos tivessem tempo suficiente iriam cortar os pescoços uns dos outros”. Qual foi a reação dos oficiais? (v.8). ficaram em silêncio, pois estavam errados!

5)   Decisões tomadas.
Decida parar com isso. Veja o verso 10: “Vamos acabar com a cobrança de impostos”.  O que fazer quando está debaixo do peso do pecado? Pare com isso. Intencionalmente decida eliminar o mal, IMEDIATAMENTE (1 João 1.9-10). Durante os treze versículos do capítulo 5, NENHUM TRABALHO ESTAVA SENDO EXECUTADO.

Faça planos específicos para corrigir a situação o mais rápido possível. Neemias confrontou os banqueiros: “Devolvam-lhe imediatamente suas terras, suas vinhas, suas oliveiras e suas casas, e também os juros que cobraram deles, a centésima parte do dinheiro, do trigo, do vinho e do azeite (v.11)”. Quando Deus mostra um pecado, de que somos culpados, não nos fala que temos muito tempo para tratar dele, ele diz: “trate disso agora!”. Quando perceber que está fazendo algo errado, AGORA É A HORA DE PARAR.


“Bem, você sabe, fico irado. Fico bravo facilmente. Meu pai tinha um mau humor; e eu também”. CUIDADO, seja severo com este pecado!

Bem, sou chegado ao álcool. Você sabe como é. Cara tenho dificuldade com isso. Fico bêbado a cada final de semana” Cuidado!

Sou chegado a uma fofoca. Sempre ouvi que deveria controlar minha língua. Mas, sou assim. E tem muito mais gente assim. É uma dificuldade que tenho que conviver”.

Prometa a Deus seus planos de correção. O verso 12 diz: “Então convoquei os sacerdotes e os fiz declarar sob juramento que cumpririam a promessa feita”. Viu?! Neemias chamou o sacerdote – o homem que representava os judeus diante de Deus. Apontou para os que emprestavam dinheiro e disse: “Vocês fizeram uma promessa àqueles homens, bem aqui. E Vocês (os sacerdotes) lembrem-se disso diante de Deus”.

Conclusão: Tenha noção da seriedade do seu voto a Deus. “Também sacudi a dobra do meu manto e disse: Deus assim sacuda de sua casa e de seus bens todo aquele que não mantiver a sua promessa. Tal homem seja sacudido e esvaziado! (v. 13).

Nenhum comentário:

Postar um comentário