terça-feira, 20 de junho de 2017

Neemias: causa e cura do desânimo. Ne 4.10-22


A origem do desânimo estava no povo de Judá (Ne 4.10). Nos últimos capítulos de Genesis 49, lemos que Jacó convocou seus filhos à sua presença e os abençoou, aconselhou, fez profecias. Quando voltou para Judá (v.8) disse: “você será um líder entre a família. Seus irmãos o louvarão”. E acrescentou: “O cetro não se apartará de Judá, nem o bastão de comando de seus descendentes, até que venha aquele a quem ele pertencer, e a ele as nações obedecerão”. Imagine que a frase AQUELE A QUEM ELE PERTENCE, refere-se ao Messias. Ou seja, Judá, você será a tribo messiânica, através da sua tribo, um dia, nascerá o Salvador do mundo, o Messias. O cetro nunca se apartará da sua tribo. E a ti as nações obedecerão.  Entretanto, em Neemias 4 percebe que é Judá, que traz as palavras de desânimo às tropas.

1)    As causas do desânimo.
Perda da força. O verso 10 diz: “Os trabalhadores já não tem mais forças”. Note a expressão não tem mais forças. No texto original o significado é: deslizar, tibubear, vacilar”. “Essas pessoas, Neemias, já estão trabalhando há um longo tempo e estão ficando cansadas”. O verso 6 nos diz que estão chegando à metade da sua altura.  A NOVIDADE JÁ ESTAVA PERDENDO A SUA FORÇA. A METADE DO CAMINHO É DESANIMADORA. 




Perda da Visão. Voce notou o que JUDÁ disse? “... ainda há muito entulho” (4.10).  A força começou a falhar; ainda, apesar de todo o trabalho, há muito lixo. A palavra em hebraico para lixo significa “terra seca, entulho”.  


Em outras palavras, “Olhemos ao redor de Neemias e vermos que tudo é entulho – sujeiras, pedras quebradas, pedaços de argamassa secos e duros. Tudo está ficando muito cansativo. Há entulho demais”.  É como o caso de uma jovem mãe que trocou cerca de cinquenta fraldas em um só dia. Ela olha a situação e diz: Há muito lixo, muita bagunça, muitas fraldas e muito trabalho para ser feito”. O que ela perdeu? Perdeu a visão do crescimento daquela criança e o prazer de introduzi-la na sociedade.

Perda da confiança.  O muro já estava na metade da sua altura. O LIXO ESTAVA ESPALHADO POR TODO O LUGAR. Expressaram seus sentimentos observando com tristeza: “... não conseguiremos construir o muro” (v.10). Quando você perde A FORÇA E A VISÃO, então você perde A CONFIANÇA. E quando você perdeu a confiança, o desânimo pode virar a esquina, a qualquer momento.  Os judeus haviam construído o muro até a metade da sua altura porque o povo “estava totalmente dedicado ao trabalho”. O original diz que “o povo tinha o coração na obra”. Porém, perderam o seu coração, a sua motivação “nós não poderemos edificar o muro” (v.10).


Perda da Segurança. O verso 11 diz: “E os nossos inimigos diziam: “Antes que descubram qualquer coisa ou nos vejam, estaremos bem ali no meio deles; vamos mata-los e acabar com o trabalho deles”.  Ou seja, “TEMOS UM PLANO. NÃO DIREMOS A NINGUÉM QUAL É O PLANO; MAS QUANDO MENOS ESPERAREM, BUM!!! ENTRAREMOS SORRATEIRAMENTE E LÁ FICAREMOS. ACABAREMOS COM O TRABALHO TÃO RAPIDAMENTE E POR COMPLETO QUE VOCES NUNCA SABERÃO QUE ESTIVEMOS POR LÁ”.
EM QUE TEMOS COLOCADO NOSSA SEGURANÇA? No nosso trabalho? Se, somos mandados embora, sentimos um desânimo total. Os amigos ou familiares? Uma mudança, ficaremos longe dos amigos e dos familiares. VOCE PERDEU A FORÇA. VOCE PERDEU A CONFIANÇA. VOCE PERDEU A VISÃO. E PERDEU A SUA SEGURANÇA. Existe um sentimento profundo interior que diz: “Não vale a pena”. Será?

2)    A solução para o desânimo.
Uniu os seus Desejos num só Objetivo.  “Por isso posicionei alguns do povo atrás dos pontos mais baixos do muro, nos lugares abertos, divididos por famílias, armados de espadas, lanças e arcos” (Ne 4.13).  

Os trabalhadores estavam espalhados por toda Jerusalém trabalhando com pedras, água, argamassa e ainda SEPARADOS DAS FAMÍLIAS. Neemias os uniu de acordo com as famílias e deu a cada um objetivo comum: preservação. O lar deveria ser uma fonte natural de entusiasmo. Neemias disse: Vamos lá, ajuntemo-nos de acordo com as nossas famílias. Vocês companheiros, sentem aqui; você e sua família lá”. No processo de unir as pessoas em grupo, Neemias PAROU O TRABALHO. As vezes a melhor coisa a fazer quando se está desanimado é tirar uma folga. Há um provérbio grego que diz: “Você quebrará o arco se o mantiver sempre entesado”.

Direcione a sua Atenção para Deus. Veja o que diz o verso 14: “...Não tenha medo deles, lembrai-vos do Senhor, que é grande e terrível...”. Eles estavam olhando para o monte de lixo. Precisavam olhar para o Senhor. 



Algumas promessas do Senhor para nós:
Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo proposito está firme, porque confia em ti. Confiem para sempre no Senhor”. (Is 26.3-4).

Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplica, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus”. (Fl 4.6-7).

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.
Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza.
Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das
moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã. Os gentios se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Vinde, contemplai as obras do Senhor; que desolações tem feito na terra!
Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.
 Salmos 46:1-11

Mas agora, assim diz o SENHOR que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Isaías 43:1,2

Confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado. Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará.
E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia.
Descansa no Senhor, e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos. Deixa a ira, e abandona o furor; não te indignes de forma alguma para fazer o mal.Porque os malfeitores serão desarraigados; mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a terra.
Pois ainda um pouco, e o ímpio não existirá; olharás para o seu lugar, e não aparecerá. Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz
. Salmos 37:3-11

Mantenha o equilíbrio entre as Ações e os Pensamentos.  o que Neemias fez depois que tentou opor-se ao desânimo? Animou os judeus a manterem o equilíbrio. Convocou-os a agir. “Lutem”, ele mandou. “Há um trabalho a ser feito. Empunhem as espadas!” O verso 14 conclui: “Lutem por seus irmãos, por seus filhos, suas filhas, suas mulheres e por suas casas”.

Ouvindo os nossos inimigos que nós tínhamos sido avisados, e tendo Deus reduzido a nada o conselho deles, voltamos todos nós para o muro, cada um para sua obra. Desde aquele dia em diante metade dos meus servos trabalhava na obra, e metade deles tinha as lanças, os escudos, os arcos e as couraças; e os chefes estavam atrás de toda a casa de Judá. Vss. 15,16 E o versículo 17 acrescenta: “Os oficiais davam apoio a todo o povo de Judá que estava construindo o muro. Aqueles que transportavam material faziam o trabalho com uma mão e com a outra seguravam uma arma”.

Os ingleses possuem a Bíblia em seu idioma por causa de homem chamado John Wycliffe. Ele traduziu o primeiro texto na língua inglesa da Bíblia. Ele foi um líder admirável! Seus inimigos o queimaram, espalharam as cinzas do seu corpo no rio Tames, em Londes. “Livramo-nos para sempre de Wycliffe”. Estavam errados. Hoje todo britânico carrega em suas mãos a Bíblia traduzida por ele. 


Ou, John Bunyan, ele foi jogado na prisão, três vezes, na tentativa de silencia-lo. Ao invés disso, ele escreveu O Peregrino, o segundo livro mais amado entre os cristãos na atualidade. Por causa do seu gigantesco investimento pessoal, as verdades do Peregrino expandiram-se para benefício das gerações subsequentes.

Conclusão: Desenvolva o ministério que Deus te deu, vss. 21 e 22.

Em essência Neemias estava dizendo: “hei, precisamos de ajuda. Estou lhes pedindo para servir e ajudar uns aos outros. Não conseguiremos fazer isso sozinhos”.  Nos dias de pressão que se seguiram, v. 23, nem tinham tempo para trocar de roupas. Quando iam tomar banho, permaneciam com as armas nas mãos. VOCE QUER SABER COMO SER MISERÁVEL? Viva para si mesmo. Use eu, meu, me durante o maior tempo possível da sua vida.



quarta-feira, 7 de junho de 2017

O bondoso amigo


Não existe amigo como Jesus. Quando consideramos tudo o que Ele fez por nós, e somos incapazes de retribuir, torna a nossa relação com Ele mais especial e incomparável a qualquer outro tipo de relacionamento.

O título deste hino: "Quão bondoso amigo é Cristo", era chamado pelo seu autor: "Orai sem cessar". Na verdade, esse era o título de um poema escrito para sua mãe que se encontrava muito enferma.
Talvez não exista outro hino tão precioso e tão íntimo, que transmita calma e esperança ao coração atribulado, como o cântico "Quão bondoso amigo é Cristo". Muitas vezes, os mais belos hinos nascem de tristezas e angústias.

 José Scriven nasceu em Banbridge, no norte da Irlanda. Após ser graduado na famosa escola Trinity College, noivou com uma bela jovem, tão instruída e educada quanto ele. 



José fez os preparativos para seu casamento com a jovem, que residia em uma outra região do país. Mas, que terrível dor e desespero tomou conta do seu coração ao saber que, na véspera do seu casamento, a sua noiva tinha morrido afogada. Foi a primeira tragédia que o jovem José tinha experimentado. Porém, na sua tristeza e dor, teve um encontro real e pessoal com Cristo que mudou toda a sua vida.

Em 1845, José Scriven resolveu mudar-se da irlanda para o Canadá, procurando deixar para trás as suas tristezas. Ele conseguiu um bom emprego como tutor dos filhos de um oficial do Exército e fixou residência no novo país. Passado algum tempo, conheceu Eliza Roche, uma jovem de boa família. A amizade aprofundou-se em amor e mais tarde noivaram. Poucos dias antes do casamento, a jovem foi acometida de uma doença grave e morreu repentinamente.

O jovem caiu numa forte crise de depressão, que seriamente comprometeu a sua saúde física. Duas vezes a morte tinha privado-o de um casamento e expectativa de uma vida feliz. Apesar desta grande aflição, ele nunca perdeu sua fé pessoal em Jesus. José estava vivendo neste tempo na cidade de Port Hope, na província de Ontário, no Canadá, gerenciando uma empresa de laticínios naquele lugar, quando chegou a conclusão de que Deus não queria que casasse, e resolveu gastar o seu dinheiro e sua vida ajudando os pobres e menos privilegiados. Ele foi chamado "o Bom Samaritano" pelo povo da cidade, repartindo com eles sua comida e roupas, e muitas vezes pagando o aluguel de famílias destituídas.

Um dia, José recebeu uma carta da sua velha mãe na Irlanda. Ela estava doente e sentia-se muito só. Não poderia fazer a longa viagem marítima até à Irlanda, devido a sua saúde abalada. Como confortar sua velha mãe? Como fazê-la sentir que tinha um Amigo que está ao seu lado em todo o tempo? Ele pensou nas tristezas e angústias que tinha passado e como Jesus tinha sido seu Amigo e Consolador. Naquela tarde, sentou-se à mesa e começou a escrever:
"Quão bondoso Amigo é Cristo / Carregou com a nossa dor / E nos manda que levemos / Os cuidados ao Senhor".

Decidiu enviar uma cópia desse poema para sua mãe e guardou uma para si. Scriven nunca pensou em publicar o poema, mas um amigo que o visitou poucos dias antes do seu falecimento viu entre alguns papéis na sua mesa o pequeno poema, e exclamou: "Quem escreveu estas belas palavras?" Scriven respondeu: "Eu e o Senhor Jesus". Pouco depois, o amigo mandou publicar o pequeno poema num jornal diário de sua cidade. O compositor alemão, Charles Converse, ao ler o jornal, viu o poema, cuja mensagem tocou profundamente o seu coração. Então, sentou-se ao piano e compôs a bela melodia que tanto realça as palavras do hino.

Até os dias de hoje não se sabe o que realmente aconteceu com Joseph Scriven no dia da sua morte, 10 de agôsto de 1886, aos 46 anos de idade. Alguém que atravessou tantos infortúnios na vida, perdas e desilusões, evidentemente não fica imune de ser atingido por uma séria depressão e profunda tristeza. Um amigo dele deixou o seguinte registro:

"Deixamos Scriven por volta da meia noite. Fui para outro quarto ao lado, não para dormir, mas para vigiar e esperar. Dá para imaginar a minha surpresa e desapontamento, quando retornei e encontrei o quarto dele vazio. Todas as buscas foram em vão na tentativa de encontar o homem desaparecido, até que no dia seguinte à tarde, o corpo foi encontrado na água de um rio próximo, sem vida e gelado."

Este curto e simples hino tornou-se favorito de milhões de cristãos ao redor do mundo e se encontra em quase todos os hinários evangélicos. Ele está traduzido em mais de vinte idiomas. Este hino está classificado entre os dez mais conhecidos e mais amados de todos os tempos. Só em português, há pelo menos três versões. Abra sua Harpa Cristã no número 200 e deixe este belo hino transmitir consolo e paz ao seu coração.

 A bela melodia foi composta Charles Converse, que ao ler o poema num jornal, cuja mensagem tocou profundamente o seu coração, sentiu-se inspirado a escrever a música que enriquece o texto.

Traduzido em mais de 20 idiomas, este hino está classificado entre os dez mais conhecidos e mais amados de todos os tempos.

FONTE: Artigo originalmente publicado no Mensageiro da Paz, CPAD por Ruth Dorris Lemos, missionária norte-americana, fundadora do Ibad (Instituto Bíblico das ADs) em Pindamonhangaba. É musicista, jornalista e professora de Teologia. 

etida de uma doença grave e morreu repentinamente.
       O jovem caiu numa forte crise de depressão, que seriamente comprometeu a sua saúde física. Duas vezes a 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Neemias: o desafio de construir o muro. Ne 2:11-20



Introdução:  “Não desprezar os dias das pequenas coisas” Zc 4.10.

Deus pode transformar as pequenas coisas em grandes realizações.  Por exemplo, a Missão no Interior da China que começou no coração de Hudson Taylor. Um homem com o coração cheio fervor vai pra China e cria uma missão para o interior da China que mobilizou mais de 800 missionários, levando a Palavra de Deus para mais de vinte e cinco mil pessoas. O Pastor Paul Yonggi Cho começa seu projeto missionário num bairro pobre de Seul e, ele não tendo sequer uma bicicleta para ajudar na evangelização; hoje é uma igreja com mais de setecentos mil membros. O clube santo que começa em Oxford no século XVIII, na Inglaterra; alguns jovens se reúnem para orar, buscar a face do Senhor; esse movimento trouxe um dos maiores avivamentos na Inglaterra.

1)    SOLITUDE. 



Neemias, tendo alcançado o seu destino, naturalmente, teria se dirigido por uma ardente compulsão interior para pegar a colher de pedreiro, contratar terceiros e assentar o fio do prumo. NO ENTANTO, na realidade, Neemias não fez nada disso! O verso 2 temos a afirmação de Neemias: “... e (eu) permaneci ali por três dias”.

“Sai de noite com alguns dos meus amigos. Não havia contado a ninguém o que Deus havia posto no meu coração ...(v.12). No versículo 16 Neemias relatou ainda mais: “os oficiais não sabiam aonde eu tinha ido ou o que estava fazendo, pois até então eu não tinha dito nada aos judeus, aos sacerdotes, aos nobres, aos oficiais e aos outros que iriam realizar a obra”.

Se você acha que ser EXTREMAMENTE OCUPADO é sinônimo de espiritualidade, aprenda a lição com Neemias. Não é pela pressa e pelo ímpeto da atividade que uma pessoa ganha respeito daqueles que o cercam: É O QUE ELA FAZ QUANDO ESTÁ SOZINHA. “CARÁTER É O QUE VOCE É QUANDO NINGUÉM ESTÁ TE OLHANDO”. Em Neemias 2.12 nos diz que “Eu não havia contado a ninguém o que Deus havia posto em meu coração”.

 2)    Examinar. 


Enquanto estava em solitude na presença do Senhor, Neemias recebeu direção objetiva: “De noite sai pela porta do vale na direção da Fonte do dragão e da porta do esterco examinando todo o muro (perceba que) ... fui até a porta da fonte” (vss. 13-14). NEEMIAS, desceu pela parte sul de Jerusalém e voltou pelo oeste da porta da fonte. Quando Neemias voltou pelo tanque do rei, havia tanta bagunça que não foi possível passar com o seu cavalo. E escreveu: “De noite sai pelo vale examinando o muro”, ou versão na linguagem de hoje: “SEMPRE OLHANDO AS MURALHAS”. A palavra em hebraico para EXAMINAR significa “OLHAR ALGUMA COISA MUITO CUIDADOSAMENTE”. É uma palavra da área médica para sondar uma ferida a fim de ver a extensão do estrago.  

Neemias podia ter pensado consigo mesmo: “Vejamos agora. Quem será capaz de fazer este trabalho melhor? Esta parte requer um artesão. O trabalho de cavar não precisar ser feito por um artesão”.

3)    Uma grande motivação. 


Depois disso levantou-se em frente do conselho da cidade e disse: “Vejam a situação terrível em que (NÓS) estamos: Jerusalém está em ruínas, e suas portas foram destruídas pelo fogo. Venham, (nós) vamos reconstruir os muros de Jerusalém, para que (nós) não fiquemos mais nessa situação humilhante” (v.17).  Nesse versículo vemos três palavras importantes e vitais: NÓS, NÓS E NÓS. Ou seja, ele se identificou pessoalmente com a necessidade da população.

Imagine se Neemias dissesse: “Pessoal, encontrei vocês numa tremenda bagunça. Sabem o que precisam fazer? Precisam reconstruir o muro. Se precisarem estarei no meu escritório. Afinal de contas, não faço parte do problema. Pessoal, vocês terão que se atualizar em relação ao pandemônio e trabalhar”.  QUANDO VOCE ACUSA E CRITICA, ACABA COM A MOTIVAÇÃO. QUANDO VOCE SE IDENTIFICA COM O PROBLEMA, ENCORAJA A MOTIVAÇÃO.

Existem dois tipos de motivação: a motivação exterior e a motivação interior. A motivação exterior apela para as recompensas materiais. Enquanto que a motivação interior para o espírito voluntário.  Por exemplo, quando a criança fica um pouquinho mais velha e começa a estudar, seus pais lhe dizem: “Para cada “A” que tirar, lhe darei um real”. Neemias não ofereceu nenhum incentivo material quando dirigiu-se aos oficiais de Jerusalém. Ele simplesmente disse: “Vejam a situação terrível que estamos. Vamos reconstruir ao muros”. E o povo disse: Vamos recomeçar a reconstrução.

Por que o povo respondeu com espontaneidade à proposta de Neemias? Conduzido por Deus, Neemias foi capaz de apelar pelo seu ZELO INTERIOR. Foi capaz de provocar uma coceira no seu íntimo. Não existem muitas pessoas que conseguem fazer isso hoje, nem no passado.

A vida de Winston Churchill impressiona pela atitude corajosa na segunda guerra mundial. No seu discurso Churchill não empregou a motivação exterior mas interior:


Não tenho nada a oferecer, a não ser sague, trabalho pesado, lágrimas e suor. Vitória a qualquer preço, vitória apesar de todo o terror, vitória por mais longo e difícil que o caminho for; pois sem vitória não há sobrevivência. Ou hastearemos a bandeira ou fracassaremos. Vamos continuar até o fim. Lutaremos na França, nos mares ou oceanos, lutaremos com confiança e força crescente no ar, defenderemos nossas ilhas, qualquer que seja o custo”. 

Davi quando tirou a armadura de Saul e olhou para o rosto daquele gigante horroroso no vale. Ele disse: “Não existe uma razão?”. Enquanto todos permaneciam em volta imaginando as desigualdades, Davi gritou: “Saia do caminho”. Pegou umas pedras e acertou o gigante em cheio. Davi teve aquela maravilhosa motivação interior e nunca se entregou. Foi a mesma força e comprometimento que Neemias teve.

Também contei-lhe como Deus havia sido bondoso comigo... Então eles disseram: vamos recomeçar a reconstrução. E se encheram de coragem para a realização desse bom projeto” (v.18).

4)    Uma grande oposição 



“Quando, porém, Sambalate, o horonita, Tobias, o oficial amonita, Gesém o árabe, souberam disso, zombaram de nós e desprezaram-nos” (v.19). O termo hebraico para zombar significa “guaguejar, balbuciar, repetir palavras de escárnio”. Sambalate e Tobias tinham a cabeça empinada, menosprezavam e escarneciam daquele grupo de judeus dizendo: “vocês estão loucos. Nunca conseguirão fazer isso. Afinal de contas, você se rebelaram contra o rei, não é mesmo?”.

Talvez se nós tivéssemos lá, teríamos dito: “Voce sabe, as pessoas não querem mesmo um muro de novo. Não conseguiremos levar adiante esse projeto porque a  oposição é grande. Eles viveram aqui, sem um muro, por mais de 150 anos, e se acostumaram a viver dessa maneira. Não estamos acostumados com mudanças. Vamos arrumar as malas e ir embora”.

Esses inimigos se opuseram a Neemias o todo tempo, quando o muro estava em sua metade, eles escarneceram: “Basta que uma raposa subá lá, para que esse muro de pedras desabe!”

Mas, Neemias respondeu: “Então lhe respondi: O Deus dos céus fará que sejamos bem-sucedidos. Nós, os seus servos, começaremos a reconstrução, mas no que lhe diz respeito, vocês não tem parte nem direito legal sobre Jerusalém, em sua história não há nada de memorável que favoreça você”.

Conclusão: atitude de Neemias 



1)    Falou com Deus a respeito das criticas. “ouve-nos ó Deus, pois estamos deprezados” (Ne 4.4-5). Quando você se põe de joelhos em oração o sucesso é total. O santo que avança de joelhos nunca recua, pois a oração proporciona uma proteção incrível.


2)    Neemias persistiu. Capítulo 4.6: “Nesse meio tempo fomos reconstruindo o muro”. Podemos até visualizar isso: “Me dê mais um tijolo e continue misturando as massas”. 

terça-feira, 30 de maio de 2017


Neemias: realizando sonhos impossíveis. Ne 2:1-10


Introdução.  Provérbios 21.1: “O coração do rei é como um rio controlado pelo Senhor; ele o dirige para onde quer”.  Em hebraico não começa com “o coração do rei...” MAS com a palavra  “canais”. “Como canais de irrigação que transportam água é o coração do rei nas mãos de Jeová”. O autor estava dizendo que um coração que exala vida e que define decisões e atitudes está nas mãos do Senhor. A última declaração afirma: “Ele (Jeová) o dirige para onde quer”. Se juntarmos todas essas ideias, poderíamos ler o verso da seguinte maneira: “Como canais de irrigação que transportam água, assim é o coração do rei nas mãos de Jeová. Ele inclina e o desvia para qualquer direção que lhe agrada”.

1)    Um líder inflexível. 


Neemias era copeiro de um homem que tinha acabado de se tornar o Rei da Pérsia. Há um ditado que se encaixa bem aqui: “NÃO ADIANTA TENTAR MUDAR A LEI DOS MEDOS E DOS PERSAS”. Esse ditado significa que é impossível mudar a situação! Artaxerxes, o rei dos Medos e Persas tinha uma reputação de inflexibilidade.

Mas, Neemias buscou o Senhor em oração porque sabia QUE ERA A ÚNICA MANEIRA DE MUDAR O CORAÇÃO DO REI. Ele orou com toda concentração: “Senhor, que os teus ouvidos estejam atentos à oração deste servo e à oração dos teus servos que tem prazer em temer o teu nome” (Ne 1.11). Agora veja o seu pedido: “Faze com que hoje este teu servo seja bem-sucedido, concedendo-lhe a benevolência deste homem”. Neemias, o copeiro do rei, disse de fato: “Senhor, peço-lhe que mude o coração do rei, modifica as suas atitudes. Mude a fim de que eu consiga fazer a tua vontade e agrade ao rei – agrade ao meu superior”.

2)    A espera é essencial. 



O que acontece depois que Neemias orou ao Senhor? Nada! Pelo menos não imediatamente. A História de Neemias começa no mês de QUISLEU (Nm 1.1), e termina “no mês de Nisã” (Ne 2.1). Quisleu é dezembro e Nisã, Abril. Durante quatro meses, NADA ACONTECEU! Olhe o versículo 1 do capítulo 2: “No mês de nisã do vigésimo ano do rei Artaxerxes, na hora de servir o vinho, levei-o ao rei”. A Bíblia Viva enfatiza o período de espera: “Um dia, em abril, quatro meses depois. Todo mundo tem um ponto de ruptura, de desgaste. E, Neemias aparece diante do rei “...porém, nunca estivera triste diante do rei” (v.1). E o rei lhe disse: “Por que o seu rosto parece tão triste, se você não está doente? Essa tristeza só pode ser do coração!” (v.2). ENTÃO NEEMIAS FICOU COM MUITO MEDO!

Pessoas que expressavam tristeza ou melancolia na presença do rei normalmente eram mortas em “desfiles de exibição”. “E disse ao rei: Que o rei viva para sempre! Como não estaria triste o meu rosto, se a cidade em que estão sepultados os meus pais está em ruínas, e suas portas foram destruídas” (v.3). Mas, o rei me disse: “O que você gostaria de pedir? Então orei ao Deus dos céus”. “O que você gostaria de pedir?” Artaxerxes perguntou a Neemias. O CORAÇÃO DO REI ESTAVA NAS MÃOS DE JEOVÁ. O que você quer Neemias? O que está deixando entristecido?”

Neemias respondeu (v.5): “Se for do agrado do rei e se o seu servo puder contar com a tua benevolência, que ele me deixe ir à cidade onde meus pais foram enterrados, em Judá, para que eu possa reconstruí-la”. Pacientemente Neemias esperou quatro longo meses pela resposta. E agora a petição lhe havia sido concedida. Ele tornou conhecido o seu desejo.

3)    Neemias tinha um plano. 


“Marquei um prazo com o rei”. Durante esses quatro meses ele estava fazendo mais alguma coisa além de orar. Ele gastou esse tempo planejando. Isso, em si mesmo, é um exercício de fé. Ele tinha certeza de que Deus o deixaria ir que até planejou uma agenda, no caso do rei lhe perguntar quanto tempo de ausência seria necessário. Provérbios 16.9: “todos os caminhos do homem lhe parecem puros, mas o Senhor avalia o espírito”. Portanto, anda pela fé não quer dizer que você deve andar sem organização ou a esmo.

Alguns poder ler Neemias 2.7-9 e pensar que ele era um homem presunçoso. Não, era apenas prático. Quando o rei Artaxerxes disse: “ótimo, você pode ir”, Neemias continuou: “Agora rei, antes de sair há algumas coisas que gostaria de falar” (Ne 2.7-9). A resposta positiva do Rei Artaxerxes está expressa no verso 6: “Se for do agrado do rei enviar-me. Então o rei lhe disse: “Está bem pode ir”. O verso 8 conclui: “E o rei atendeu os meus pedidos...” Ele concedeu as cartas à Neemias. Neemias saiu de Susã e foi em direção à Jerusalém e encontrou-se com o primeiro oficial:

“tenho, aqui uma carta do rei”.
“Quem a escreveu?”
“Artaxerxes. Olhe... bem aqui”.
“puxa, siga adiante”.
Em seguida, entrou no território de Asafe. Asafe provavelmente era uma pessoa com pensamento negativo e talvez sovina.
“O que você quer?”
“Madeira”
“Não. Somente com requisição”.
“Artaxerxes requisitou que eu tivesse toda a madeira que eu quisesse”

4)    No meio do caminho tinha uma pedra. 

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.

Neemias estava a caminho do seu objetivo, porém no verso 10 lemos que enfrentou pessoas difíceis, as mesmas que enfrentaria durante o projeto. Dê uma olhada nelas. Sambalate, o honorita, e Tobias, o oficial amonita, ficaram muito irritados quando viram que havia gente interessada no bem dos israelitas. No meio da caminhada nos deparamos com pessoas com o espírito de Sambalate e Tobias: ALGUMA COISA RUIM VAI ACONTECER; ISSO NÃO VAI DAR CERTO. Muitos homens e mulheres vivem baseado nesse princípio; toda a sua vida é um grande “NÃO”.

Conclusão. Vemos quatro passos em Neemias.

1)    Ele reconheceu suas próprias limitações – apenas Deus consegue mudar o coração do homem
2)    Voltou-se para Deus – orando e esperando.
3)    Organizou um plano de ação
4)    Perseverou, apesar da oposição de sambalate e Tobias – uma vez que Deus havia aberto o caminho.



Bibliografia: Vamos construir juntos – Charles R. Swindoll

terça-feira, 23 de maio de 2017

Neemias: avançando de joelhos. Ne 1


Introdução: um pouco de história
.
A história dos judeus começa aproximadamente em 2000 a.C com Abraão. MAS, foi só em 1000 a.C que Israel alcançou expressão mundial como nação sob o comando de Saul, Davi e Salomão. Contudo, Salomão comprometeu seu reinado casando com mulheres de outras nacionalidades e adorando seus deuses. Deus sentenciou:

“Então o Senhor lhe disse: Já que essa é a sua atitude e você não obedeceu a minha aliança e aos meus decretos, os quais lhe ordenei, certamente lhe tirarei o reino e o darei a um dos meus servos. No entanto, por amor a Davi, seu pai, não farei isso enquanto você viver. Eu o tirarei da mão do seu filho” (1 Rs 11.11-12).

Depois da morte do rei Salomão, Israel tornou-se um reino dividido: dez tribos ficaram ao norte, tendo como capital Samaria; e duas tribos se estabeleceram no sul e cuja capital era Jerusalém. Durante este período de divisão e de guerra civil as tribos de norte foram chamadas de Israel, e o as tribos do sul, de Judá. 



No entanto, Deus castigou Israel quando os assírios invadiram no ano de 722 a.C; essas dez tribos foram extintas e o reino do norte acabou. E, em 586 a.C – 100 anos depois – o rei da Babilônia, Nabucodonosor, invadiu Jerusalém e levou o povo cativo. Assim começou o que chamamos de “cativeiro babilônico”. O relato bíblico em 2 Crônicas 36.18-19 registra o fim da história de Judá e o início do cativeiro babilônico.
“E todos os artigos da casa de Deus, grandes e pequenos, e os tesouros da casa do Senhor, e os tesouros do rei e dos seus oficiais, ele (Nabucodonosor) os trouxe para a Babilônia. Então QUEIMARAM A CASA DO SENHOR, DERRRUBARAM O MURO DE JERUSALÉM, queimaram todas as edificações fortificadas e destruíram seus artigos valiosos”. 


O Salmo 137 foi escrito durante esse período sombrio. O salmista chorava: “Como poderíamos cantar as canções do Senhor numa terra estrangeira” (v.4). A Babilônia veio e levou cativo os israelitas. A sua canção cessou (2 Cronicas 36.20).

Quase 70 anos depois, Deus levantou Ciro, autorizando o retorno dos judeus para Jerusalém (2 Cro 36.22-23). Os primeiros judeus vieram com Zorobabel, como comandante oficial. O segundo grupo deixou a Babilônia com Esdras. E, treze anos depois, chega Neemias para reconstruir o muro de Jerusalém.

1)    Neemias – um copeiro do rei. 



Copeiro significava ser o provador da comida e do vinho do rei. Era uma posição de intimidade e confiança. A história começa no inverno, no mês de quisleu (dezembro), no vigésimo ano do rei. A data é aproximadamente por volta de 445-444 a.C. E o verso 1 nos diz o lugar: Neemias vivia em Susã, a capital do império medo-persa. NO VERSO 2, Hanani, um dos irmão de Neemias e alguns homens de Judá vieram de Jerusalém. “E eu (Neemias) lhes perguntei acerca dos judeus que restaram, os sobreviventes do cativeiro e sobre Jerusalém”.

Aqueles que regressaram de Judá disseram: “Aqueles (o povo) que sobreviveram ao cativeiro e estão lá na província passam por grande sofrimento e humilhação”. A palavra hebraica traduzida por “grande sofrimento” significa “miséria e calamidade”. Na verdade, acrescentou o homem, eles estava sofrendo humilhação. A palavra no hebraico significa “algo afiado, cortante, penetrante ou intenso”. A idéia original é de alguém suportando a força de palavras sarcásticas. Os judeus estavam sendo criticados e caluniados por pessoas que eram inimigas da fé.

2)    A reação e a oração de Neemias. 



Neemias foi tocado pela necessidade do seu povo: “sentou-se, chorou e lamentou... jejuando e orando ao Deus dos céus” (v.4).  Notemos sua oração:

Ele reconheceu claramente as necessidades do seu povo. O inicio do versículo 4 diz: “quando ouvi essas coisas”. Ele perguntou: “em que condições eles vivem?” E responderam: “Numa situação miserável”.  Pergunto: você é consciente das necessidades? Conhece as necessidades da sua família? Você é um pai ou um marido sensível?

Ele era preocupado com a realidade. Neemias foi chamado para construir o muro, mas primeiro chorou sobre as ruínas. “Os muros estão caídos. AH, Deus! Como essas pessoas podem continuar seguras com o muro caído? Porém, a resposta mais normal seria: “Olhem, os muros estão derrubados. Quem fez esse estrago? Quem arrebentou tudo isso? Ou, Puxa, eles voltaram há tantos anos e ninguém construiu os muros? NEEMIAS TEVE COMPAIXÃO.

Em 1 Samuel 3, aprendemos a história de um pai que se recusou a reconhecer uma necessidade específica da família. O jovem Samuel dormia, até quando alguém lhe disse: “Samuel! Samuel!”. E ele corria a Eli e dizendo: “O que foi Eli”. E este lhe respondia: “volte a dormir, não lhe chamei”. Novamente a voz acordou Samuel e a mesma coisa aconteceu  e isso aconteceu por três vezes. Finalmente Eli disse: Olhe, você está ouvindo a voz de Deus”. E, Deus dá uma mensagem de juízo para Eli (1 Samuel 3.11-13).  SUBLINHE na sua Bíblia “ele tinha consciência”, e “ele não os puniu”. Há momentos quando você sabe que tem uma coisa errada em sua casa, mas se recusa a envolver-se na correção?  

Ele estava “jejuando e orando” (v.4). O que o jejum significa? Significa não fazer uma refeição por causa de um proposito maior: atingir o alvo de andar com Deus. Há pessoas que jejuam um dia por semana. Outras, uma vez por mês. Algumas nunca jejuam!

Ele orou. “Senhor, Deus dos céus”.  Qual é a sua primeira resposta quando uma necessidade lhe chama a atenção?  A dificuldade do povo de Deus não será totalmente resolvida até que você o leve a Deus em oração. UM DIA VOCE VAI OLHAR PARA O PASSADO, VER AQUELAS COISAS QUE RACIONALMENTE FEZ NA CARNE, E ODIARÁ O DIA EM QUE ISSO ACONTECEU. A ORAÇÃO É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIA NA VIDA DE UM CRISTÃO. 




Neemias orou ao Senhor.  “Então eu disse: Senhor, Deus dos céus, Deus grande e temível, fiel à aliança e misericordioso com os que te amam e obedecem aos teus mandamentos” (v. 5).

Neemias confessou seu pecado (vss. 6 e 7). “Que os teus ouvidos estejam atentos e os teus olhos estejam abertos para a oração que o teu servo está fazendo diante de ti, dia e noite, em favor dos teus servos, o povo de Israel. Confesso os pecados que nós, os israelitas, temos cometido conta ti. Sim, eu e o meu povo temos pecado. Agimos de forma corrupta e vergonhosa contra ti. Não temos obedecido aos mandamentos, aos decretos e às leis que deste aos teu servo Moisés”.

Ele clamou pela promessa. Quando foi a Deus em oração, orou ao Pai, confessou a sua parte no erro e clamou a promessa que Deus havia dado. Lemos no versículo 8: Lembra-te agora do que disseste a Moisés, teu servo”. Neemias conhecia as Escrituras. “Senhor, abro o livro perante ti. Apresento-lhe as exatas palavras que falou, as promessas que o Senhor fez. E estou reivindicando isso, Senhor, agora mesmo”. QUAL ERA A PROMESSA? Que quando o período do cativeiro terminasse, Deus traria de volta os judeus a Jerusalém, e os protegeria (Rm 4.20-21).

Ele trouxe seu anseio diante de Deus (v.11). Senhor, faça-me bem sucedido. Faça-me encontrar aquele lugar no centro da sua vontade, onde a prosperidade celestial descansa, seja no nível que for. Senhor, conceda-me favor com a autoridade sobre mim.

CONCLUSÃO: por que precisamos orar? 



A oração me faz esperar.
A oração esclarece a minha visão.
A oração acalma o meu coração.
A oração ativa a minha fé.